IMÓVEIS TÊM A MENOR ALTA EM 20 MESES

Preços sobem 0,9% em maio, na terceira desaceleração seguida, apura pesquisa FipeZap

O preço do metro quadrado dos imóveis residenciais prontos no País subiu em maio 0,9%, a menor variação desde setembro de 2010, quando o Índice FipeZap começou a ser pesquisado. O indicador reúne informações dos preços do m² dos imóveis, principalmente usados e também novos, exceto lançamentos, em seis regiões metropolitanas e no Distrito Federal. As informações são de anúncios na internet.

"A alta de preço de maio deste ano é um terço da taxa registrada em abril de 2011 (2,7%), quando se iniciou a trajetória de desaceleração", afirma o coordenador do indicador, o economista Eduardo Zylberstajn.

Ele explica que o mercado imobiliário residencial passa por um ajuste, iniciado um ano atrás. De lá para cá, os preços têm tido algumas oscilações para cima, mas, na média, a trajetória é de desaceleração.

O grande boom nos preços do mercado imobiliário que houve nos últimos anos foi provocado pela maior oferta de crédito, por condições facilitadas de financiamento, com juros menores e prazos maiores, e pelo fato de o mercado de trabalho apresentar crescimento de emprego e renda, tendo como pano de fundo uma forte demanda por imóveis.

Com os lançamentos feitos pelas construtoras nos últimos anos, a oferta aumentou e as condições financiamento não tiveram grandes alterações. Portanto, a tendência de comportamento dos preços é de desaceleração. "O ajuste deve continuar", prevê Zylberstajn. A pesquisa mostra que, com o resultado de maio, ocorreu a terceira desaceleração consecutiva dos preços dos imóveis.

No vermelho. De abril para maio, em três das sete regiões pesquisadas, a variação de preços do m² dos imóveis prontos ficou abaixo da inflação prevista para o período, de 0,46%, segundo o Boletim Focus, do Banco Central (BC). Em Salvador, por exemplo, pelo segundo mês seguido houve variação negativa nos preços, de -0,6% em abril e de -1,3% em maio. Em Belo Horizonte, a alta em maio foi de 0,43% e de 0,46% no DF.

Em São Paulo, o maior mercado consumidor do País e referência para o setor, os preços do m² subiram 1,2% em maio, foi a menor variação registrada para o mês da série histórica. Neste ano, os preços dos imóveis anunciados subiram 6,3%, quase a metade do registrado em igual período de 2011 (12%) na região.

O preço médio do m² nas sete regiões pesquisadas atingiu R$ 6.594. A maior cotação foi dos imóveis do Distrito Federal, cujo preço do m² foi de R$ 8.254.

Na vice-liderança do preço do m² no mês passado, estão os imóveis do Rio de Janeiro, com R$ 7.991, seguidos pelas propriedades localizadas na capital paulista (R$ 6.448). O menor preço médio do m² no mês passado, apurado pelo Índice FipeZap, ocorreu em Salvador (R$ 3.618). "A demanda está mais comportada e não há mais aqueles casos de um edifício inteiro ser vendido num fim de semana", diz Zylberstajn.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixa aqui a sua mensagem. Agradeço a sua visita.