Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2009

CONDOMÍNIOS OCUPAÇÃO DE GRANDES ÁREAS

No mercado imobiliário financeiro está sendo desenvolvido o lançamento de condomínios de porte gigantescos. Esses condomínios formam grandes bairros, entorno das cidades, por demandarem terrenos de grandes proporções. A lei de loteamento estabelece um prazo máximo de quatro anos para implantar toda a infra-estrutura no loteamento. Ocorre que, nos casos da ocupação de terrenos por condomínio de grandes áreas, a solução encontrada pelos empreendedores é desenvolver um plano urbanístico composto de diversos loteamentos complementares, com áreas destinadas a condomínios de prédios ou casas. Estes condomínios não contemplam apenas residências, casas ou apartamentos, mas escolas, áreas de lazer, postos de saúde, entre outros. Na realidade os condomínios possuem toda a infra-estrutura de um verdadeiro bairro, permitindo a concentração de centros comerciais, hipermercados e até shopping centers. Os condomínios de grandes áreas devem ser cuidadosamente planejados, em conjunto com o

VENDA DE IMÓVEIS, UMA VENDA DIFERENTE

O corretor de imóveis deve saber atuar de forma empática. Para que ele possa entender os anseios e as necessidades do seu cliente, deverá considerar que a negociação de um imóvel é um processo complexo de comunicação e de tomada de decisão, que ocorre no transcurso do tempo e envolve diversos membros. A compreensão dos aspectos que intervêm em uma negociação imobiliária e no processo decisório do cliente é de fundamental importância, pois eles distinguem o processo de venda de imóveis residenciais ou comerciais das vendas de outros tipos de produtos ou serviços. Esses aspectos são: resquícios antropológicos, comitê de compra, decisão de alto envolvimento da família, fator tempo, valores monetários envolvidos e preconceitos. Resquícios antropológicos - Muitos clientes solicitam que seus pais ou pessoas de mais idade, que possuem mais experiência, manifestem a sua opinião sobre um determinado imóvel antes de formalizar uma proposta de compra. Comitê de compra - O cliente informa ao

FINANCIAMENTO DA CASA PRÓPRIA TERÁ R$ 5,8 BILHÕES A MAIS DE RECURSOS DO FGTS

Somente para habitação popular, o orçamento de 2009 aumentou quase 40%, com a aprovação de R$ 7,4 bilhões. 31/10/08 - O Conselho Curador do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) aprovou na quinta-feira, 30 de outubro, a liberação de R$ 5,8 bilhões a mais para o financiamento da casa própria a partir de 2009. Os recursos passarão dos atuais R$ 6 bilhões para R$ 11,8 bilhões. O anúncio foi feito nesta sexta-feira pelo ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, que presidiu a reunião do Conselho. Somente para habitação popular, o orçamento aumentou quase 40%, com a aprovação de R$ 7,4 bilhões. No ano passado foram reservados 4,4 bilhões. Para subsidiar a compra da casa própria para famílias que recebem até 5 salários mínimos, o FGTS reserva R$ 1,6 bilhão no orçamento de 2009. O Pró-Moradia terá R$ 1 bilhão e o Pró-Cotista também vai receber R$ 1 bilhão, mesmo orçamento deste ano. Os recursos serão destinados aos bancos públicos e privados que atuam na área de financiament

OS DESAFIOS DO MERCADO IMOBILIÁRIO ATÉ 2030

Concorrida sessão plenária da Convenção Secovi abordou questões primordiais para o futuro do setor Os principais aspectos do estudo desenvolvido pela Ernst & Young e a Fundação Getúlio Vargas estiveram em foco durante a concorrida sessão plenária O Mercado Imobiliário de Olho no Futuro, realizada dia 25, durante a Convenção Secovi – evento que integra a Semana Imobiliária e acontece simultaneamente ao Salão Imobiliário São Paulo até 28/9, no Parque. Coordenada pelo vice-presidente de Comercialização e Marketing do Secovi-SP, Elbio Fernández Mera, a plenária contou com palestras de Ana Maria Castelo, consultora da FGV Projetos e professora da Fundação Getúlio Vargas, e Cristiane Amaral, sócia da área de Risk Advisory Services da Ernst & Young. Como debatedor, o economista-chefe e diretor executivo do Secovi-SP, Celso Petrucci. As apresentações tiveram como base o estudo Potencialidades do Mercado Habitacional, que aponta perspectivas do setor até 2030, quais os caminhos e