NÃO ESPERE PARA COMPRAR O SEU IMÓVEL, AFIRMAM ESPECIALISTAS


A região mais rica de Mato Grosso se tornou alvo dos grandes investidores e empresários que decidiram apostar no setor que mais emprega no Brasil, a construção civil. Cidades do norte do Estado já registram imóveis e terrenos com preços bem acima do mercado, se comparados com a Capital. Enquanto, em Sinop, o metro quadrado de uma área chega a custar R$ 5 mil, na região mais nobre de Cuiabá, o valor não ultrapassa R$ 3 mil.

Atualmente, em cidades como Sorriso e Sinop, estão sendo construídos diversos empreendimentos de alto padrão, com sucesso recorde de vendas. Um exemplo é o Residencial Cidade Jardim, em Sorriso. Segundo o responsável pelo loteamento, Rafael Nogueira, a maior parte dos 321 terrenos já foi comercializada.



“Para uma cidade de 70 mil habitantes, registramos uma marca histórica, se comparado com municípios do interior de São Paulo, onde temos outros empreendimentos. Em dois meses, foram comercializados mais de 150 lotes”, comemora Rafael Nogueira.

Os empreendimentos voltados às classes A e B chegaram primeiro a Cuiabá, por volta de 2002, quando se iniciaram as construções de condomínios fechados de alto padrão. Mas, nos últimos cinco anos, esses investimentos também foram deslocados para o norte de Mato Grosso.

Para o presidente do Conselho de Corretores de Imóveis de Mato Grosso (Creci), Ruy Pinheiro Araújo, os altos investimentos na construção civil devem gerar um índice de crescimento imobiliário de 8,5% no Estado. “Há em todas as regiões diversos lançamentos imobiliários para diferentes segmentos e classes, o que tem gerado o crescimento no setor. Com as obras da Copa, Cuiabá tem atraído muita mão de obra de fora, inclusive de executivos com alto poder aquisitivo”.

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), comparando o primeiro trimestre de 2011 com o mesmo período deste ano, o PIB Brasileiro cresceu 0,8%, enquanto que o setor da construção civil atingiu alta de 3,3%. Já na comparação do acumulado do ano, o PIB variou 1,9%, enquanto que a construção chegou a 3,1%.

Segundo o presidente do Sindicato das Indústrias da Construção de Mato Grosso (Sinduscon), Júlio César de Almeida Braz, o momento é positivo e o aumento na oferta e na procura de novos empreendimentos se deve ao desenvolvimento econômico do Estado, principalmente por causa do agronegócio, a melhoria na renda e a ampliação das linhas de crédito.

“Não há dúvida que a força do agronegócio tem estimulado a vinda de novos empreendedores para Mato Grosso, o que tem contribuído para o crescimento do setor da construção civil, aumentado a oferta, estimulado a concorrência e incentivado a criação de novos conceitos de construção, elevando assim o padrão de qualidade de cada novo empreendimento”, diz Júlio Braz.