PROGRAMAS FEDERAIS SINALIZAM AQUECIMENTO DO MERCADO IMOBILIÁRIO

Governo Federal deve abrir mais financiamentos em 2015
PREVISÃO: Empresário João Lopes filho acredita que brasileiros deverão ter mais oportunidade de conseguir a casa própria em 2015
PREVISÃO: Empresário João Lopes filho acredita que brasileiros deverão ter mais oportunidade de conseguir a casa própria em 2015
Para o empresário João Lopes Filho o mercado imobiliário será beneficiado em 2015 quando entrará em processo de aceleração devido aos incentivos federais como o Programa “Minha Casa Minha Vida”. Segundo ele, Barretos será “premiada” graças ao crescente número de conjuntos habitacionais em andamento no município. “O mercado deverá abrir as torneiras para financiamento para que as pessoas que queiram construir seu imóvel tenha condições mais favoráveis sempre prezando pela qualidade e respeito às regras de sustentabilidade”, disse.

O empresário destacou que neste cenário, a construção civil passa a ser um elo gerador de divisas para entrada de recursos no município. “A cidade terá o Imposto sobre serviço, trabalhadores registrados gerando tributos para federação, governo e município e  o setor de compra e venda de material também ficará aquecido”, relatou.
COMPRA E VENDA: No ramo da construção civil para  compra e venda de imóveis, o empresário opinou que houve retração de alguns meses até antes da eleição, mas que agora começa a dar sinais de melhora. “A tendência é a verticalização da cidade, temos que pensar em revitalizar, transformar prédios antigos em novas fachadas com área verde e sem agredir o Meio Ambiente”, revelou.
Ainda sobre a construção civil, o empresário entende que está faltando em Barretos empenho em realizar processos que despertem o interesse dos empreendedores. “Eles precisam enxergar a cidade como pujante e evolutiva onde os processos não demorem muito para acontecer”, ressaltou. Para ele, é preciso unir as forças vivas da cidade para que Barretos volte a aparecer no ranking de uma das melhores localidades para se viver. “Assim, poderemos agregar mais trabalhadores e qualificar pessoas que é um grande problema”, finalizou.